Código Penal da Vida Futura: 27o./32 pontos

CIO Céu e o Inferno (CI – 1865)

PARTE PRIMEIRA – DOUTRINA
As
Penas Futuras Segundo o Espiritismo

CÓDIGO PENAL DA VIDA FUTURA

O Espiritismo não vem, pois, com sua autoridade privada, formular um código de fantasia; a sua lei, no que respeita ao futuro da alma, deduzida das observações do fato, pode resumir-se nos seguintes pontos:

27º — O único meio de evitar ou atenuar as conseqüências futuras de uma falta, está no repará-la, desfazendo-a no presente. Quanto mais nos demorarmos na reparação de uma falta, tanto mais penosas e rigorosas serão, no futuro, as suas conseqüências.

dbl2_videira

Anúncios

Sobre inacioqueiroz

Busco estudar a obra do Chico Xavier, porta-voz de grandes inteligências. Ao longo da leitura, me emociono e reavalio minhas certezas e dificuldades. Espero que esta seja uma pequena contribuição na grande obra do bem.
Esse post foi publicado em O Céu e o Inferno e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Código Penal da Vida Futura: 27o./32 pontos

  1. José Carlos de Amorim disse:

    Inácio
    Já estou com setenta anos de idade, já experimentei o estado de coma (em 2004) por mais de 20 horas e o tempo neste intervalo que passei fora corpo físico praticamente não existe, dá para rever muito do nosso passado (incluindo vidas passadas) e o que maís destacou-se foi o fato de que não somos obrigados a prometer, mas a cumprir o que prometemos sim.
    A benção da encarnação e da reencarnação é uma necessidade para o nosso progresso, iniciamos como aprendizes e nesta faze nossos erros não são considerados para avaliação, ou seja estamos enquadrados na última frase de Jesus: “PAI, perdoai-os eles não sabem o que fazem”, ou seja, não éramos capazes de avaliar as consequências e naquela época vigorava o olho por olho dente por dente. Jesus aconselha-nos o perdão (setenta vezes sete) e exemplifica com a própria vida que viveu em nosso meio. A partir do momento que nos é dado conhecer seus ensinamentos, ou mudamos nosso comportamento ou teremos que pagar por reincidência no erro de não perdoar. Como aprendizes desenvolvemos a inteligência e é onde a ignorância não pode mais ser invocada como defesa.
    Jesus nos convida ao companheirismo início da fraternidade convite a uma mudança de hábitos e costumes, um passo na senda do progresso espiritual. Na terceira faze o convite DELE é mais profundo, ELE fala ao nosso coração: “Quem gosta perdoa mas quem AMA não se sente ofendido. Para o mundo, aquele que não se sente ofendido ou é bobo, ou é louco e só vivendo para saber, o templo da “persona” desabou.
    A mediunidade e a esquizofrenia podem ser vistas como uma sensibilidade que tangencia o Astral/Espiritual que sob controle do sensitivo é muito positiva e fora de controle causa muito sofrimento não só aqui mas também do outro lado.
    Uma coisa é dizermos eu creio, a outra é dizermos eu sei, pois o eu creio é disposição de confiança e o eu sei é para quem já viveu a experiência.
    Nosso PAI não é bom nem é mau é JUSTO.
    Jamais seria bom se fosse injusto e jamais seria justo se fosse mal.
    Cumpre-nos semear o que queremos colher.

    • inacioqueiroz disse:

      Excelente reflexão, José Carlos.

      Claro, a reparação imediata de nossas faltas é o ideal.
      O momento ideal de reparar é justamente na hora que a falta ocorre.
      Um pedido de perdão, um reconhecimento humilde, um esforço em consertar, uma reposição material, qqer coisa naquela hora faz diferença imensa.

      Mas … nem sempre temos a sabedoria e a paz necessária para reparar.
      Muitas vezes precisaremos ainda evoluir como pessoa para despertar para o erro cometido.
      As vezes estamos errados e nem nos damos conta!! Triste!

      O importante é saber que sempre teremos novas oportunidades e que a reparação pode não ocorrer exatamente para pessoa que foi nossa vítima.
      Se já não posso resgatar com aquela pessoa, quem sabe não poderei fazer o bem para muitas outras que vivem a mesma situação?

      Na verdade, reparar é buscar nos sentir redimido do erro do qual nos sentimos culpados.
      Quem perdoa não é Deus. Ele não se ofende.
      Quem sempre nos acusa e nos sanciona o perdão da remissão é nosso tribunal interior: nossa consciência.

      Forte abraço,
      Inacio

      • José Carlos de Amorim disse:

        Inácio, meu irmão.
        Assim, que fui retirado do corpo, para vê-lo na cama e minha esposa assentada em cama ao lado, orando e chorando, …
        Lembrei-me de nossas duas filhas e duas netas com apenas cinco anos cada uma.
        Veio-me a visão à distancia, pude vê-las em casa em profunda tristeza. Imediatamente minha atenção voltou-se para alguém ao meu lado direito que sem eu olhar para ela me perguntava apontada para meu corpo na cama: Você quer ficar ou quer voltar?
        Quero voltar.
        Pois bem, você vai voltar mas antes quero saber porque você quer voltar perguntou-me esse amigo quase invisível naquele momento.
        Não quero faze-las sofrer mais do que já estão sofrendo respondi.
        Uma coragem enorme fluiu-me naquele instante, uma certeza absoluta de que quem estava ali sempre esteve e não iria me abandonar.
        Devo avisá-lo de que você vai sofrer, advertiu-me.
        Não importa desde que seja eu, fiquei até (devo admitir) atrevido.
        Vai voltar, estamos de acordo mas antes devo mostrar-lhe algumas coisas.
        …no livro que Papai do Céu escreve ninguém passa borracha…
        Indelével registro dos nossos atos desenrola-se.
        A cinematografia de nossos dias está longe de reproduzir tamanha riqueza de dados porque registra sentimentos. É onde o ator não representa, vive o personagem, não é passado é presente, porém você pode reconhecer a própria ignorância e perdoar a si mesmo. O diabo que você foi e pode ainda ser se não quiser mudar de comportamento nas relações com o semelhante.
        Como disse Emmanuel: O passado não podemos mudar mas o futuro sempre esteve nas nossas mãos.
        Depois disso aceitei a dor sem culpar mais ninguém, nem ao diabo, afinal eu sou ele(o diabo) na minha própria vida quando semeio o que não quero colher.
        Obrigado, muito obrigado por você aparecer na minha vida e dar-me tão significante oportunidade…
        Paz Profunda.

      • inacioqueiroz disse:

        Oi José Carlos,

        Nós que agradecemos sua coragem em dividir essa riqueza de vivência que você já dispõe.

        Muita força para você nesses novos caminhos, grande amigo!
        Saúde e paz!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s