52-Nossa Transição

* Referência: Capítulos do Livro Justiça Divina – Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do livro O Céu e o Inferno (CI) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação – Leitura da Questão – Curiosidades.
(Meditação sobre o capítulo 52-Ante os mundos superiores)
Reunião pública de 21-8-61
CI – 1a Parte – Cap. III – Item 11.

52-Transição-1Dizem os espíritas que estamos na transição entre mundo de “Expiação e Provas
para mundo de “Regeneração“.

Nosso planeta está progredindo!
Mas ainda há grandes dívidas por serem quitadas …

Diz Emmanuel que ainda viveremos os dramas da guerra entre países.
E, como ainda não estamos libertos das grandes nuvens de ódio que pairam em nossa psicosfera, tormentas bélicas arrasadoras ainda serão presenciadas.

Entretanto, longe de ser uma reprovação para a coletividade, esses dramas funcionarão como radioterapia, libertando do câncer da alienação mental os povos que sustentam misérias em nome de Deus.

Outros tantos acordarão para a importância do senso religioso, banindo de vez o ateísmo das cogitações humanas.

52-Trans1O preconceito racial, as diferenças de castas, o materialismo e o aprisionamento das consciências sucumbirão perante a irmã dor, convidando a humanidade ao bem-estar econômico para todos e a responsabilidade moral para cada um.

Não!

Nenhuma previsão de Terceira Guerra Mundial, Apocalipse ou fim do mundo.

Examinamos simplesmente o quadro escuro que as nações poderosas organizaram e que lhes atormenta, hoje, os gabinetes de governança, ainda mesmo quando se esforçam por disfarçá-lo nos banquetes políticos e nos votos de paz.” – observa Emmanuel.

E, nesse exame, enfatizamos nossa fé positiva de que o planeta atingirá planos muito superiores, um grande futuro, quando a humanidade não mais temerá o monstro da guerra, com suas armas de destruição em massa, com seus jogos de interesses e rios de sangue.

Mas será necessário nosso esforço no trabalho e na fidelidade ao Cristo.

Abrindo as estradas do Espírito para essa era de luz, abracemos a charrua do suor, pela vitória do bem, seja qual for o nosso setor de ação.” – conclama Emmanuel.

Sim, iremos ver florescer dos escombros das velhas civilizações um novo planeta!

52-jesusE, enquanto nos empenhamos, cada vez mais, em largas dividas para com a Ciência que nos rasga horizontes e traça novos caminhos, vivamos na retidão de consciência, fiéis ao Cristo, no serviço incessante de burilamento da alma, na certeza de que, se a glorificação chega por fora, a verdadeira felicidade é obra de dentro.

(Emmanuel)

==&==

Leitura da Questão: O Céu e o Inferno (CI)
Primeira Parte – Doutrina
CAPÍTULO III – O CÉU

Item 11. A reencarnação pode dar-se na Terra ou em outros mundos. Há entre os mundos alguns mais adiantados onde a existência se exerce em condições menos penosas que na Terra, física e moralmente, mas onde também só são admitidos Espíritos chegados a um grau de perfeição relativo ao estado desses mundos.

A vida nos mundos superiores já é uma recompensa, visto nos acharmos isentos, aí, dos males e vicissitudes terrenos. Onde os corpos, menos materiais, quase fluídicos, não mais são sujeitos às moléstias, às enfermidades, e tampouco têm as mesmas necessidades. Excluídos os Espíritos maus, gozam os homens de plena paz, sem outra preocupação além da do adiantamento pelo trabalho intelectual.

Reina lá a verdadeira fraternidade, porque não há egoísmo; a verdadeira igualdade, porque não há orgulho, e a verdadeira liberdade por não haver desordens a reprimir, nem ambiciosos que procurem oprimir o fraco.

Comparados à Terra, esses mundos são verdadeiros paraísos, quais pousos ao longo do caminho do progresso conducente ao estado definitivo. Sendo a Terra um mundo inferior destinado à purificação dos Espíritos imperfeitos, está nisso a razão do mal que aí predomina, até que praza a Deus fazer dela morada de Espíritos mais adiantados.

Assim é que o Espírito, progredindo gradualmente à medida que se desenvolve, chega ao apogeu da felicidade; porém, antes de ter atingido a culminância da perfeição, goza de uma felicidade relativa ao seu progresso. A criança também frui os prazeres da infância, mais tarde os da mocidade, e finalmente os mais sólidos, da madureza.

*** Curiosidades ***

– O destino do planeta será necessariamente a evolução. A questão é se o caminho será mais longo, devido ao grande contingente de espíritos recalcitrantes, ou mais curto. O fato, porém, é que o mundo não se tornará melhor de um dia para outro. Cada pessoa que desperta para o bem, torna o mundo um pouco melhor. É nossa missão ajudar cada irmão e irmã no seu desajuste, seja quem for.

– Os espíritos nos dizem que a felicidade perfeita não é desse mundo. Fácil entender isso: quando nossa consciência desperta para o bem de todos, descobrimos que não seremos felizes enquanto houver 1 sofredor no planeta. Mas Kardec usa aqui um conceito que eu sempre defendi. Existe a chamada “felicidade relativa“, a felicidade que nos é possível diante do nosso atual degrau evolutivo. Como negar que Francisco de Assis foi nosso grande exemplo de felicidade? Ele viveu intensamente a felicidade que lhe era possível, mesmo convivendo com muitas dores, tristezas e misérias que povoavam seu caminho.

– Francisco de Assis nos ensina que a fonte da felicidade não está numa situação externa. É um grande exercício interior. Qualquer um pode viver a felicidade já, hoje, nesse momento. Basta que se apaixone perdidamente por sua vida, por aquilo que é e por aquilo que tem, sem desejar que algo mude para sorrir, para cantar e agradecer. Bênçãos, todos temos fartamente. Mas sempre olhamos para aquilo que ainda nos falta. Como diz o poeta: “A felicidade está onde nós a pomos; mas nós nunca a pomos onde nós estamos.”

– Reparei que, no parágrafo abaixo (vide a Leitura da Questão), Kardec fez alusão ao lema sonhado pela Revolução Francesa: “Liberdade, igualdade e fraternidade”.
Reparem vocês:

                     “Reina lá a verdadeira fraternidade, porque não há egoísmo; a verdadeira igualdade, porque não há orgulho, e a verdadeira liberdade por não haver desordens a reprimir, nem ambiciosos que procurem oprimir o fraco.”

2 respostas para 52-Nossa Transição

  1. JLBaise disse:

    Gostei do artigo. Agora vamos refletir sobre o que nos foi deixado para que possamos tirar proveito das leituras que nos são oferecidas e seguir tudo o que CRISTO nos ensinou para podermos tornar esse nosso mundo um mundo de regeneração.
    Não é tão dificil assim, basta que amemos o nosso proximo como a nós mesmos. Não é simples?
    É só querer……..

    • inacioqueiroz disse:

      É verdade, JLBaise.
      O nó da questão está no egoísmo.
      Estamos condicionados a observar o mundo na seguinte visão: “o que o mundo pode me oferecer?”.

      Hoje, nesse novo momento de consciência, estamos aprendendo que a evolução reside em “de que forma eu devo amar o mundo?”.
      Precisamos reaprender a viver.

      Abração e obrigado pelo comentário.
      Inacio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s