57-Poetas e Heróis

* Referência: Capítulos do Livro Justiça Divina – Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do livro O Céu e o Inferno (CI) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação – Leitura da Questão – Curiosidades.
(Meditação sobre o capítulo 57-Purgatório)
Reunião pública de 8-9-61
CI – 1a Parte – Cap. V – Item 3.

57-Eustaquio_livroNos capítulos finais do livro “Eustáquio – 15 Séculos de uma Trajetória“,  vamos encontrar o espírito Eustáquio, ex-general de Clóvis, rei dos Francos, em processo de positiva renovação.

Apoiado pela colônia espiritual Alvorada Nova, Eustáquio tem conversa esclarecedora com o Coordenador Geral da colônia, Agamenon Duarte, espírito iluminado que se preparava para ascender a planos muito superiores.

Eustáquio questiona-lhe:

– E como faziam os povos que viveram na Crosta antes de Cristo? Conheciam eles os Divinos Mandamentos e acreditavam na vida após a morte?

E Agamenon repassa-lhe um ensinamento que jamais se apagará da minha memória.

– Claro! Muitas trilhas foram percorridas até que o homem pudesse evoluir moral e intelectualmente, mas a Humanidade sempre teve os seus escritores e mensageiros, aqueles que divulgavam essas idéias em suas obras. Note que Homero escreveu em suas celebres Ilíada e Odisséia, cerca de mil anos antes de Cristo, inúmeras passagens ressaltando conceitos que os homens já conheciam e futuramente foram reafirmados por Jesus. (…)

57-OdisseiaSim!

Antes de Jesus, os conceitos de moral superior eram cantados em versos pelos poetas, ao destacar a honra e o bom caráter dos heróis.

Nessa meditação, Emmanuel inicia fazendo-nos relembrar desse nosso fascínio pelos heróis e suas virtudes; pelos mártires cristãos e seus momentos de bravura e testemunho.

Admiramos ainda os Espíritos Superiores e suas habilidades para asserenar almas impenitentes.
As muitas equipes socorristas e suas inúmeras atividades tão nobilitantes.

Ah, queremos tanto imitá-los!!
Oramos para ser um deles, ombrear com espíritos valorosos, brilhar qual estrela abençoada.

Entretanto, quase nunca te lembras que te encontras no mundo, assim como quem vive temporariamente no purgatório.” – assevera Emmanuel.

Já passou aquele tempo em que a demonstração de fé e de caridade era ser mastigado por um tigre no Coliseu, ser crucificado ou arder em grandes fogueiras.

O Amor Infinito está em toda parte e precisa mais da nossa boa disposição em servir, mesmo estando cercado de problemas e tribulações, do que do nosso martírio.

Embora na parcela de luta que o passado te atribui ao presente, reflete no ideal de servir e surpreenderás o divino momento de auxiliar, seja onde seja.” – esclarece Emmanuel.

E a oportunidade está sempre muito próxima:
São nossos pais em sofrimento.57-Sofrer
São filhos inquietos.
São irmãos na infelicidade.
São parentes na agonia.

São chefes sempre irritados.
São funcionários sempre azedos.
São clientes sempre exigentes.
São colegas sempre  enigmáticos.

São amigos problemáticos.
São adversários gratuitos.
São companheiros frágeis.
São irmãos críticos, que exigem sem colaborar.

Quantos corações presos nas sombras, enredados em grandes provações!

Todos, sem exceção, esperam de ti a migalha de amor e a esmola de paciência.” – orienta Emmanuel.

57-jesuscuraEis o nosso purgatório!
Para todos nós, endividados com a Justiça Divina, eis nossa moderna arena de testemunhos de fé, de heroísmos e de caráter honrado.

Nosso remédio é o próprio caminho.
É saber que ajudando, seremos ajudados.

Aqueles que nos rodeiam
são hoje os grandes necessitados.

“Amanhã, contudo, é possível que os grandes necessitados sejamos nós.”
(Emmanuel)

==&==

Leitura da Questão: O Céu e o Inferno (CI)
Primeira Parte – Doutrina
CAPÍTULO V – O PURGATÓRIO

Item 3. Jamais foram determinados e definidos claramente o lugar do purgatório e a natureza das penas aí sofridas.

À Nova Revelação estava reservado o preenchimento dessa lacuna, explicando-nos a causa das terrenas misérias da vida, das quais só a pluralidade das existências poderia mostrar-nos a justiça.

Essas misérias decorrem necessariamente das imperfeições da alma, pois se esta fosse perfeita não cometeria faltas nem teria de sofrer-lhe as conseqüências. O homem que na Terra fosse em absoluto sóbrio e moderado, por exemplo, não padeceria enfermidades oriundas de excessos.

O mais das vezes ele é desgraçado por sua própria culpa, porém, se é imperfeito, é porque já o era antes de vir à Terra, expiando não somente faltas atuais, mas faltas anteriores não resgatadas. Repara em uma vida de provações o que a outrem fez sofrer em anterior existência. As vicissitudes que experimenta são, por sua vez, uma correção temporária e uma advertência quanto às imperfeições que lhe cumpre eliminar de si, a fim de evitar males e progredir para o bem. São para a alma lições da experiência, rudes às vezes, mas tanto mais proveitosas para o futuro, quanto profundas as impressões que deixam. Essas vicissitudes ocasionam incessantes lutas que lhe desenvolvem as forças e as faculdades intelectivas e morais. Por essas lutas a alma se retempera no bem, triunfando sempre que tiver denodo para mantê-las até ao fim.

O prêmio da vitória está na vida espiritual, onde a alma entra radiante e triunfadora como soldado que se destaca da refrega para receber a palma gloriosa.

*** Curiosidades ***

– O livro “Eustáquio – 15 Séculos de uma Trajetória” conta 17 encarnações de um espírito, desde a época em que usava a inteligência e força para servir a desígnios sombrios até a renovação. O livro é muito rico, introduzindo um conceito que até então desconhecia: entre encarnações chaves, onde seremos provados com situações muito delicadas, há encarnações preparatórias, onde nos fortalecemos, reorganizamos conceitos e amealhamos novos elementos para as encarnações chaves. Muito legal.

– O livro nos deixa entender, com grande sutileza, que Agamenon Duarte, o coordenador da colônia Alvora Nova, teve dois encarnes muito importantes para a História do Mundo: Homero e Luis de Camões. Interessante que, logo após a leitura do livro, participei de um evento no salão nobre do Colégio Pedro II do Rio de Janeiro. O teto é decorado com a imagem de diversos vultos da literatura mundial. O primeiro vulto do lado esquerdo é Homero. E o primeiro vulto do lado direito é Camões. Coincidência?

– Achei muito inteligente (para variar) a visão de Emmanuel de que estamos em pleno purgatório. Não precisamos de outro lugar específico para purgar e reajustar nossos débitos. Está tudo a nossa volta. Entretanto, sabemos existir no plano espiritual o dito “umbral”, uma faixa vibratória onde espíritos perturbados se demoram. Ficou muito bem caracterizado no filme Nosso Lar. Mas o estágio no umbral é antes um favor do que uma punição. É como se mergulhássemos alguém cheio de queimaduras em água fria, num ambiente que drenasse suas dores. Ou como se fosse uma longa higienização para aquele que estava imundo e irá adentrar em ambiente muito limpo. Certamente, quando o espírito sai do umbral, ele já sai preparado para ter novo contato com ambientes bem mais depurados.

Anúncios

2 respostas para 57-Poetas e Heróis

  1. Rafael Queiroz disse:

    Muito legal o texto dessa semana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s