90-Mestres

* Referência: Capítulos do Livro Seara dos Médiuns – Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do Livro dos Médiuns (LM) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação – Leitura da Questão – Curiosidades.
(Meditação sobre o capítulo 90-Benfeitores desencarnados)
Reunião pública de 12-12-60
Questão LM no. 267 inciso 17.

Meu tio, iogue de longa data e professor da Universidade de Brasília, costuma dizer que, se for um filme da Disney, ele pára e presta atenção.

De fato, vivemos numa época onde os filmes, mesmo os de animação, têm muito a nos ensinar.

Para esta meditação, quero rememorar uma estória tola de Disney, tema recorrente, tanto quanto um clichê: um personagem (um Panda, nesse caso), grande admirador das artes marciais e dos mestres, que descobre estar em seu destino ser um grande mestre, o maior de sua região.

Se todo filme versasse apenas sobre este tema, a obra talvez tivesse se perdido.

Porém, dois personagens paralelos roubam a cena: o mestre maior do mosteiro, uma tartaruga, e sua relação com seu principal discípulo, um rato, mestre responsável por todo ensino e treinamento marcial do mosteiro.

Na entrevista dos atores que colocaram suas vozes em cada personagem, houve aquele trivial desfile de famosos falando dos seus personagens. Quando citado o mestre tartaruga, um ator asiático desconhecido deu uma opinião que me surpreendeu: este mestre é tudo que um dia eu quero ser, mas que percebo que ainda não sou e que precisarei ainda de muito tempo.

O filme justifica largamente esta apreciação.
O mestre tartaruga é um lago de paz, bom humor e confiança.
Reconhece o grande potencial do Panda quando todos o reprovam.
Asserena as apreensões de seu discípulo, o mestre rato, inúmeras vezes.

Garante que, se não conseguimos ensinar algo para alguém, nada falta ao aluno para aprender, antes falta ao mestre o caminho e o momento certo para ensinar.

Escuta o mais novo pupilo do mosteiro, o desajeitado e faminto Panda, dando-lhe autoconfiança para prosseguir.

E, percebendo chegada a hora de seu desencarne, segue para o plano seguinte nos carinhos do vento, caminhando tranquilamente junto com as folhas do pessegueiro que abandonavam seus galhos para uma nova grande jornada.

Ao final de inúmeras peripécias, o mestre rato completa a participação de seu amado professor com uma frase simples e profunda: meu mestre estava certo. Sempre esteve certo, conseguindo ver sempre além.

Assim encontraremos a presença dos orientadores desencarnados.

Onde as vozes habituadas a escarnecer se mostram a ponto de condenar, eles falam a palavra da compaixão e do entendimento.” – ensina Emmanuel.

Amparam em silêncio os caídos e abandonados, quais inesperados cirineus. Cultivam fé, esperança e trabalho onde os problemas prenunciam falências.

Tornam-se remédios divinos para os chagados de corpo e alma, sustentando a força e restaurando a vida.
Em meio da ignorância e do sofrimento, fazem-se sementes da elevação, renovando e regenerando destinos.

Onde os homens desistem de auxiliar, eles encontram vias diferente de ação para a vitória do Amor Infinito.” – garante Emmanuel.

Quem não deseja ter mestres assim?
E nos é possível! Para todos nós.

Lembremos: são instrumentos do Cristo para o bem de todos, usando de todos os recursos para o bem comum.

Basta nos decidirmos firmemente segui-los nesta determinação.
Façamos de nós mesmos seus instrumentos de ação e passaremos a percebê-los em nossa caminhada sem dificuldades.

Quem me segue não anda em trevas.” – disse Jesus.

Se acompanhas os Bons Espíritos que, em tudo e por tudo, se revelam companheiros fiéis do Cristo, deixarás para sempre as sombras da retaguarda e avançarás para Deus, sob a glória da luz.”  (Emmanuel)

* Personagens e imagens pertencentes a Walt Disney e outros. Qualquer questão de reconhecimento de propriedade sobre as imagens aqui publicadas, restrição para uso ou outros, favor entrar em contato com o autor do blog para a respectiva solução. Grato.

==&==

Leitura da Questão: Livro dos Médiuns (LM)
CAPÍTULO XXIV
DA IDENTIDADE DOS ESPÍRITOS

Modos de se distinguirem os bons dos maus Espíritos

Questão 267. Podem resumir-se nos princípios seguintes os meios de se reconhecer a qualidade dos Espíritos:

Não há outro critério, senão o bom-senso, para se aquilatar do valor dos Espíritos. Absurda será qualquer fórmula que eles próprios dêem para esse efeito e não poderá provir de Espíritos superiores.

17º Os bons Espíritos só prescrevem o bem. Máxima nenhuma, nenhum conselho, que se não conformem estritamente com a pura caridade evangélica, podem ser obra de bons Espíritos.

*** Curiosidades ***

-Sempre gostei muito de filmes de animação e aprendi muito com eles. É necessário, porém, garimpar as mensagens, como em toda situação da vida. “Pocahontas” tem verdadeira fartura de ensinamentos. “Irmão Urso” dá muito no que pensar. “Kung Fu Panda” traz as mensagens acima, mas são poucos os que reparam a beleza de Oogway, o mestre tartaruga. Basta fazer uma busca na Internet por imagens dele e perceberemos a pouca quantidade encontrada perante a fartura dos outros personagens. Isso porque as pessoas ainda prezam mais o bem da força ao invés vez da força do bem. 

-Regra muito fácil ditada por Kardec: os bons espíritos só prescrevem o bem. Então, caímos na dificuldade seguinte: o que é o bem? Kardec complementa: a pura caridade evangélica. Temos que tirar nosso chapéu: Um trabalho EXCELENTE.

-No início da nossa jornada, tendemos a dividir nosso cotidiano em dois: a hora da vida pessoal e a hora da caridade, da atividade espiritual. Adiante, descobrimos que não daremos nosso passo seguinte, não seremos reais instrumentos dos benfeitores espirituais enquanto vivenciarmos esta divisão. Naturalmente, nós já levamos quem somos para o trabalho espiritual e de caridade, por mais esforços que façamos para dissimular. Precisamos, então, levar as idéias espiritualizadas e a caridade para nossa vida pessoal, nosso cotidiano. Só assim estabeleceremos maiores e mais longas sintonias com nossos mestres espirituais, para que nos tornemos, um dia, instrumentos permanentes das grandes falanges do Bem Maior.

6 respostas para 90-Mestres

  1. karin disse:

    Achei o site muito interessante, ate porque, cada vez que assisto este desenho paro o que estiver fazendo para ouvir novamente as frases do mestre Oogway…
    -“Nao existem acidentes”
    -“O ontem é historia, o amanhã, um mistério, mas o hoje…é uma dádiva! E é por isso que se chama PRESENTE”
    – “Voce só terá sucesso quando se desprender da ilusão de controle”
    – “Só existem noticias, nem boas nem más”
    – ” Voce só precisa ACREDITAR”
    Alem da “descoberta” feita pelo próprio Panda de que “nao existe ingrediente secreto. Para que algo seja especial, você só precisa acreditar que é especial”

    Parabens 🙂

    • inacioqueiroz disse:

      Oi Karin,
      Eu tbem sou um fã de desenhos desde que meu tio, um yogue ex-professor da UNB, me despertou para a sabedoria que existe nos desenhos.
      E tem outros espetaculares. Pocahontas, p. ex., é um espetáculo.
      Mas esse desenho do Panda mexe muito comigo pq eu tenho uma ligação muito forte com a China, com o budismo e com os monges.
      Ele é belíssimo.

      Isso nos mostra que aquele que já despertou para o entendimento das coisas, acha sabedoria até mesmo num desenho infantil.
      Toda a experiência terrena vira um vasto celeiro de aprendizado.
      Os mestres estão em toda parte quando o discípulo está em atenção.

      Grato por sua colaboração e carinho.
      Inacio

  2. Claudie Lopes disse:

    Pois é, Inácio(ou Bidu)…
    Chegou ao fim de uma jornada. Parabéns! Olhamos para trás e percebemos quanto caminhamos, e o que no início parecia sonho, se transforma em realidade. Pelo que te conheço, sei o quanto este fim de ciclo está representando…
    Uma das grandes coisas que a vida tem me ensinado, é que todos somos mestres uns dos outros. Vamos nos completando, nos “esmerilhando” e melhorando, tanto com as diferenças quanto com as semelhanças…as coisas boas e as ruins nos ensinam. E, no final, descobrimos que a vida é um eterno aprendizado.
    Obrigado pelas palavras carinhosas…na verdade, apenas fiz “lançar lenha na fogueira”, que já estava acesa em seu coração.
    E quando se chega ao fim, faz-se uma avaliação, e percebe-se que o fim é apenas uma estação. A viagem continua…que possa continuar abrindo caminhos para muita gente!
    Um grande abraço, Di.

    • inacioqueiroz disse:

      Obrigado, Di!
      Vc sabe que considero sua inteligência e cultura ímpar.
      Vc têm questionamento e percepções que encontramos em poucos.
      Realmente, essa ideia de mestres uns dos outros foi colocado por Emmanuel em um dos capítulos.
      Ele nos diz que estamos sempre situados entre aqueles que já aprenderam e aqueles que ainda irão aprender.
      Para os primeiros, somos alunos. Para os segundos, somos pequenos mestres.

      Que possamos trocar muitas ideias felizes ainda.
      Beijo grande … e ainda espero ver seu estudo na web.
      Bidu.

  3. gilson alves correa disse:

    AMIGO INACIO VOCE,NAO VAI ENTENDER MAIS MUITO OBRIGADO.POR ESTA POSTAGEM FOI DE GRANDE IMPORTANCIA PARA MIM VALEU………………

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s