17-Será Isso de Deus?

(Meditação sobre o capítulo 17-Na Glória do Cristo)
Reunião pública 29-2-60.
Questão LM no. 46 – inciso 7
Padre Quevedo

Quem se interessa pela questão da mediunidade, já ouviu nosso irmão Padre Quevedo afirmar que tudo se explica pela Parapsicologia.

Outros a explicam pela Metapsíquica, precursora da Parapsicologia, discursando sobre forças inteligentes que estariam latentes e desconhecidas na mente humana.

E nossos outros irmãos religiosos também contestam, alegando ser a mediunidade não mais que prova contundente do poder do grande mentiroso, o Demônio.

Será que isso é de Deus?

Para esta reflexão, Emmanuel nos convida a relembrar a vida do Cristo, caminhada cercada por todas as nuances da mediunidade.

O Evangelho é fruto do contato entre dois planos de existência.


Comecemos por Zacarias, sacerdote do templo de Jerusalém, que cai em afasia quando duvida da gravidez de sua esposa Isabel e do nascimento de João Batista prevista pelo anjo Gabriel.

Este mesmo mensageiro celeste passará a História como “Anjo da Anunciação”, anunciando a sublime maternidade para a clarividência de Maria de Nazaré.

E a História do mundo se divide em duas, nascendo Jesus sob as bênçãos e hosanas de toda Espiritualidade Superior.

Nas bodas de Caná, o Mestre comprova seu domínio sobre a matéria elementar, reestruturando a água em vinho.

Abençoa a vida de endemoninhados e aleijados, liberando membros e consciências do jugo de entidades infelizes. Seja entre os Gadarenos, seja na febre da sogra de Pedro, o Cristo deixa claro sua ascendência moral sobre almas e espíritos terrenos.

A morte não Lhe impõe limitação, como Lázaro testemunha. A renovação da harmonia orgânica não Lhe guarda segredos, como percebem os olhos de Bartimeu. Nem mesmo a distância Lhe impede, como demonstra na cura do servo do Centurião.

Apazigua a Natureza e multiplica alimentos.

Percebe o interior desejoso de renovação de Maria de Magdala. Reconhece Natanael antes mesmo da primeira palavra.

No alto do Tabor, entabula conversação com desencarnados ilustres, ante o espanto dos discípulos.

Consciente dos movimentos do astral inferior, avisa a Pedro sobre as horas aflitivas que o apóstolo passará sob acusações do vulgo e dá ciência a Judas da desventurosa sombra que se arma sobre ambos.

No Horto, sob a luz da oração, divide sua soledade com os mensageiros do plano superior.

Após a morte, dá provas da vida eterna em inúmeros encontros, onde, materializado, orienta ainda os discípulos da Boa Nova.


Jesus elege Saulo de Tarso como seu novo repositório, surpreendendo-o com palavras, visões e súbita cegueira na Estrada de Damasco.
Por fim, renova sua fé quando solicita as mãos de Ananias para que abram os olhos do novo apóstolo dos Gentios.

Não há como calar os inúmeros episódios de mediunidade descritos pelo Evangelho.
Teorias serão levantadas, dúvidas serão argumentadas, negativas serão vituperadas.
Tudo inútil.

Em meio à confusão dos doutos e profusão de palavras dos incrédulos, nada há a fazer senão paciência.

…porque ninguém consegue empanar os fatos mediúnicos da vida de Jesus, que, diante de todas as religiões da Terra, permanece por Sol indiscutível, a brilhar para sempre.”   (Emmanuel)

==&==

Leitura da Questão: Livro dos Médiuns (LM)
CAPÍTULO IV
DOS SISTEMAS

Questão 46. Sistema pessimista, diabólico ou demoníaco. – Entramos aqui numa outra ordem de idéias. Comprovada a intervenção de uma inteligência estranha, tratava-se de saber de que natureza era essa inteligência. (…)
Bem difícil será persuadir a uma mãe de que o filho querido, que ela perdeu e que lhe vem dar, depois da morte, provas de sua afeição e de sua identidade, é um suposto satanás. Sem dúvida, entre os Espíritos, há-os muito maus e que não valem mais do que os chamados demônios, por uma razão bem simples:
a de que há homens muito maus que, pelo fato de morrerem, não se tomam bons. A questão está em saber se só eles podem comunicar-se conosco.

Aos que assim pensem, dirigimos as seguintes perguntas:

1º Há ou não Espíritos bons e maus?
2º Deus é ou não mais poderoso do que os maus Espíritos, ou do que os demônios, se assim lhes quiserdes chamar?
3º Afirmar que só os maus se comunicam é dizer que os bons não o podem fazer. Sendo assim, uma de duas: ou isto se dá pela vontade, ou contra a vontade de Deus. Se contra a Sua vontade, é que os maus Espíritos podem mais do que Ele; se, por vontade Sua, por que, em Sua bondade, não permitiria Ele que os bons fizessem o mesmo, para contrabalançar a influência dos outros?
4º Que provas podeis apresentar da impossibilidade em que estão os bons Espíritos de se comunicarem?
5º Quando se vos opõe a sabedoria de certas comunicações, respondeis que o demônio usa de todas as máscaras para melhor seduzir. Sabemos, com efeito, haver Espíritos hipócritas, que dão à sua linguagem um verniz de sabedoria; mas, admitis que a ignorância pode falsificar o verdadeiro saber e uma natureza má imitar a verdadeira virtude, sem deixar vestígio que denuncie a fraude?
6º Se só o demônio se comunica, sendo ele o inimigo de Deus e dos homens, por que recomenda que se ore a Deus, que nos submetamos à vontade de Deus, que suportemos sem queixas as tribulações da vida, que não ambicionemos as honras, nem as riquezas, que pratiquemos a caridade e todas as máximas do Cristo, numa palavra: que façamos tudo o que é preciso para lhe destruir o império, dele, demônio? Se tais conselhos o demônio é quem os dá, forçoso será convir em que, por muito manhoso que seja, bastante inábil é ele, fornecendo armas contra si mesmo (1).
7º Pois que os Espíritos se comunicam, é que Deus o permite. Em presença das boas e das más comunicações, não será mais lógico admitir-se que umas Deus as permite para nos experimentar e as outras para nos aconselhar ao bem?
8º Que direis de um pai que deixasse o filho à mercê dos exemplos e dos conselhos perniciosos, e que o afastasse de si; que o privasse do contacto com as pessoas que o pudessem desviar do mal? Ser-nos-á lícito supor que Deus procede como um bom pai não procederia, e que, sendo ele a bondade por excelência, faça menos do que faria um homem?
9º A Igreja reconhece como autênticas certas manifestações da Virgem e de outros santos, em aparições, visões, comunicações orais, etc. Essa crença não está em contradição com a doutrina da comunicação exclusiva dos demônios?

*** Curiosidades ***

-Acima está a maior parte da questão 46 do Livro dos Médiuns (LM). O texto de hoje refere-se apenas ao inciso 7, que está em verde.

-Para quem se interessar sobre provas científicas do Espiritismo, procurem na internet o debate entre Padre Quevedo e o Prof. Clóvis Nunes, especialista em Transcomunicação Instrumental. O debate foi produzido pelo Fantástico no quadro “O Caçador de Enigmas”. Alegam alguns que este debate teria provocado a retirada do quadro pelo Fantástico, visto que, depois deste, teve apenas mais um episódio e depois nada mais foi apresentado. Tempos depois, o Prof. Clóvis Nunes reaparece no Fantástico como consultor em um assunto paranormal.

-O termo “Hosana”, muito usado entre os católicos, tem origem no Judaísmo expressando a idéia de “Salve-nos agora”. Foi usada pelo povo no domingo de Ramos, em reconhecimento e adoração ao messianismo de Jesus, na entrada de Jerusalém. Nesse sentido é usado na seguinte forma: “Hosana! Bendito é aquele que vem em nome do Senhor!”.

-As duas primeiras frases da oração “Ave Maria” são compostas pelas palavras do arcanjo Gabriel no ato da anunciação, segundo o Evangelho de Lucas:
“Ave Maria, cheia de graça,
o Senhor é convosco”.
As duas frases seguintes foram ditas por sua prima Isabel ao encontrá-la:
 “Bendita sois vós entre as mulheres,
e bendito é o fruto do vosso ventre”.
O trecho final é uma exortação para Maria, a medianeira, advogada nossa perante as graças de Jesus.

-Divaldo Franco nos informa que alguns tipos de aleijados devem sua atrofia a obsessão. Na sua conferência na Guatemala em 1985, Divaldo, com o apoio de Joanna de Angelis e de um espírito protetor local chamado Huracan, fizeram dois paralíticos andar.
“Ele foi desentortando, como se estivesse obsidiado, padecendo de uma obsessão física. Não era um paralítico orgânico.”, diz Divaldo.
A história tem grande emoção (sempre choro ao ler) e está em
http://www.espirito.org.br/portal/artigos/diversos/mediunidade/o-deus-huracan.html

-Pessoalmente, considero a passagem da cura do servo do Centurião uma das mais emocionantes do Evangelho. ” … Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado; mas somente dize uma palavra, e o meu criado há de sarar.  ” . E disse Jesus: ninguém encontrei em Israel com tamanha fé. … Vai-te, e te seja feito assim como creste. E naquela mesma hora o seu criado sarou. Mateus 8.

Anúncios

12 respostas para 17-Será Isso de Deus?

  1. Shirley disse:

    Que estanho né. Mediunidade é algo tão simples pra mim, tão comum, tão normal, como respirar. E tem tanta polêmica se existe ou não. Quando eu era católica, fiz primeira comunhão, perseverança, ia a missa todo domingo, prestava atenção na homilia. Adorava aquela ambiente. Até que um dia tinha uma palestra na igreja: Espiritismo x Catolicismo. Eu que sempre fui mística, gostei e fui. E o padre sentou o pau no espiritismo e falou que não existia reencarnação. Ora, como assim? pensei. Foi justamente neste momento que eu descobri que era espirita sem o saber…rs Peguei meus paninhos, juntei minha trouxa e fui pra um centro espírita. rs Ora, espiritismo e mediunidade pra mim são céu e terra, água e fogo, tudo muito natural. Adorei o post, amigo Inacio, muito recheado de infos. Vou ver este video que citou e a historia tb. bjs

    • Shirley disse:

      Ah, essa frase tá certa? “O Evangelho é fruto do contato entre dois planos de existência.” Não seria a mediunidade?

      • inacioqueiroz disse:

        Não só mediunidade, mas o reencarne de Jesus e a boa vontade somada ao planejamento de muitos espíritos do plano astral. No plano Terra, Jesus produziu os sinais e deixou a mensagem. No astral, espíritos planejaram o caminho a seguir (família, cultura, amigos. etc.), viram quais os antecessores, ampararam Jesus no reencarne, nas idéias, na contenção das trevas e outros detalhes. Foi a luz de um plano iluminando de várias formas o outro.

    • inacioqueiroz disse:

      Vc vê que coisa? O padre falou mal e abriu seu olhos para o que mais existia. Lembrou os livros de Kardec quando foram queimados na praça pública de Barcelona. Choveu de encomendas depois. Acho que com o passar de muito tempo, os sentidos dos perispírito passarão a ser contados como funções comuns do ser humano. Mas ainda precisa de muita maturidade. Valeu, Shi. Beijos ..

  2. Marta Valéria disse:

    Gostaria de agradecer ao meu querido “Boff”, por tão belas palavras e pela participação neste espaço de estudos, que aliás me faz muito bem.
    Beijão e até. Marta 😉

    • inacioqueiroz disse:

      Oi Martinha,
      Suas palavras são muito importantes, acredite.
      Confesso que este espaço também tem me feito muito bem.
      E aqui eu estou percebendo uma coisa: Ler um livro é totalmente diferente de estudar um livro.
      Muitos beijos …

  3. Marta Valéria disse:

    Isso tá bom “dimais sô” …rsrsrsrsr!
    Quero ficar com a parte da mediunidade e os demônios… acho isso fantástico!
    Para separar a mediunidade do homem e colocar nas mãos dos santos, nós (humanóides) já fizemos de tudo. Vocês já repararam que nos cultos religiosos da nossa humanidade existe uma cláusula (em letras grandes) que para você ser o “porta voz” dos céus, do oculto, do divino, das vozes do além, do sobrenatural…etc…etc., você tem que ser alguém limpo, puro, digno, culto, de boa índole, mentalmente sadio, “o renovado” e/ou “o imaculado” ? Penso eu, que quem criou essa norma não foi Deus. Eis aí uma forma muito “inteligente” de separar áqueles que podem falar com Deus daqueles que serão usados pelas forças inferiores. Creio que nesse sentido a idéia do diabo cai muito bem, afinal quem vai ter com ele ? Somente os sujos, os incrédulos e os imperfeitos ? Para muitas doutrinas a resposta será SIM . Logo, temos uma sociedade religiosa convenientemente formada por castas. Vejo isso também nos praticantes do espiritismo, sem críticas. Ainda somos muito preconceituosos e, como disse a Clô, muitas guerras já fizemos em nome dessa separação, que é uma grande contradição, porque Deus é UNIÃO. Nesse ponto gosto de viver o meu lado ateu (fala BOFF) e pensar racionalmente que os “caminhos são diversos” e “as escolhas são individuais”, mas que não existe nesse Universo uma folha que caia de uma árvore sem que o dono dessa árvore não saiba. A partir desse pensamento, eu escolho viver e experimentar do fruto da árvore da vida. Só saberei se o fruto está podre se assim eu me permitir experimentar dele, porque a sabedoria vem das experiências e, Jesus (O CARA ), era um sábio. Não se reconhece um fruto de uma árvore sem conhecer a ávore e não se conhece a ávore se você não se permitir viver com ela. Eu chamo isso de mediunidade! Conhecer as árvores e os frutos da vida (dos diversos tipos de vida). Quando a Clô fala que temos (agora) que cuidar dos “bons hábitos”, é por que já experimentamos (na nossa longa jornada) alguns frutos “amargos” e temos registrado em nosso mundo mental o seu desastroso gosto. Isso é muito bom. Nos torna seres fortes e mais conscientes e, como estamos trilhando novos caminhos, com certeza faremos novas escolhas e experimentaremos novos sabores.
    Tem uma parte do texto que muito me tocou: “Bem difícil será persuadir a uma mãe de que o filho querido, que ela perdeu e que lhe vem dar, depois da morte, provas de sua afeição e de sua identidade, é um suposto satanás.” Acredito nisso plenamente!
    Não há pior alma que seja, acredito eu que até com chifres, que nesse mundão de Deus, não tenha UM, APENAS UM, pedido em seu nome pare que repouse e ou regresse ao grandioso amor do Pai. Confesso a vocês que essa força me comove profundamente e, pra mim, é um dos pilares do trabalho mediúnico.
    Como já dizem os amigos do CEU – “Por que somos TODOS pelo amor do Cristo…”, não dá pra deixar ninguém de fora com religiosismo pequeno, né galera. Salve os Exus, os ateus, os fundamentalistas e por aí vai ……….Beijocas da Martoca.

    • inacioqueiroz disse:

      Oi Martinha,
      Belíssimos comentários, cheios de dados importantes.
      É verdade, achamos que o “porta voz” precisa já ser anjo. Se é anjo, o que faz ainda por aqui?
      Bem nos fala o Irmão X que os anjos não descerão dos céus para fazer o nosso reino de amor na Terra.

      Realmente, Deus é união. Os espíritos disseram isso a Kardec: a religião de Deus nunca irá separar. Sempre será para reuinir.
      Inclusive, tem uma resposta no LE que diz que a atração na matéria (gravidade, magnetismo) nada mais é que a Lei do Amor presente no mundo inorgânico!

      Esta parte de experimentar frutos amargos, eu vejo muito isso na dificuldade que algumas pessoas tem de vencer certas barreiras.
      Vi isso quando treinava ação no fogo para a Brigada de Incêndio.
      Os bombeiros encheram de fumaça um quarto escuro. Piso todo molhado, simulando um incêndio.
      A gente precisava entrar por uma porta e se arrastar pela água até a outra porta.
      Não tinha fogo e bastava manter o nariz o mais baixo possível que vc respirava bem.
      Certas pessoas entraram em pânico e não entraram no quarto nem de mão dada ao bombeiro.
      São as reminiscências atávicas. Ou condicionamentos de outras vidas.
      (Lembrei das baratas da Clô … rsrsrs)

      Realmente, não dá para deixar ninguém de fora.
      E eu ando falhando nas minhas orações a só. Preciso rever isso.
      Salve as Almas Santas e Benditas!
      Beijos ….

  4. Leonardo disse:

    Todas as seitas Religiões se batem pela Fé que é a força pela qual conseguimos o impossível. Existem inúmeras frases que exaltam as qualidades, intenções e exigências de Deus. Um exemplo: “Deus é fiel!” Existem as correntes de ateus, com nomes respeitaveis. Freud disse: “Por que não foi a psicanálise criada por algum devoto? Por que ela teve que esperar que surgisse um judeu inteiramente sem deus?” Na corrente progressista do Vaticano, os sacerdotes quizeram abolir cerimônias tradicionais, cassar Santos consagrados pelo povo e não conseguiram. Está no espírito/mente do povo os cânones das Religiões. Acho que a elaboração da Doutrina Espírita chegou ao último baluarte das correntes espirituais/mentais, dando a essa uma individuação, um rosto, até personalidade. Alí onde o Freud elaborou a teoria da Psicanálise, chegaram os teoricos espíritas e lhes deram nomes, endereços, vidas passadas. No centro do espírito/mente humano eles deram sentidos as forças das “Pulsões”, Perispiritos e elaboraram razões, causas e efeitos visando, praticamente o mesmo fim, o reencontro do ser humano com suas fontes de forças vitais, sua procura de uma identidade integral. Ao optarmos por uma dessas correntes, estaremos juntos a outra, com outras linguagens e codificação. Para esse estudo a crença é fundamentada na Razão, pois foge ao primitivismo das oferendas e a personificação de um deus que é um ser que pode ou não ser fiel, amoroso, piedoso, amigo ou cruel. Estamos chegando à plenitude por vias Religiosas e pelo pensamento ateu. Todos os caminhos levam a Deus, mesmo trilhado pelos ateus. Assim vejo.

    • inacioqueiroz disse:

      Muito legal seu comentário, Bebeto.
      Mas devemos considerar que o Livro dos Espíritos foi lançado em 1857 e Freud nasceu em 1856.
      Ou seja, os nomes, endereços e vidas passadas lançados pelos teóricos espíritas já existiam quando Freud elaborou a teoria da Psicanálise.
      Significa que os teóricos constataram fatos aos quais a ciência fazia “vista grossa” e buscaram explicações dentro das possibilidades deles.
      Acho que isso tem um certo peso.

      É verdade, quando optamos por uma destas vertentes, estamos caminhando juntos nos caminhos que levam a Deus.
      Mesmo quando a proposta é inicialmente atéia.
      E tem uma passagem do filme Nosso Lar que foi comentado por um amigo meu aqui do trabalho.
      A esposa dele não é espírita.
      No filme, o espírito diretor de Nosso Lar aparece num salão onde tem os símbolos de todas as religiões e culturas.
      Ela ficou encantada com aquilo porque entendeu que a idéia de inteligências extracorpóreas não é propriedade de uma religião.
      Dia chegará que a reencarnação e a sobrevivência do ser estarão tão comprovados quanto hoje se comprova que a meditação altera o cérebro e que a fé cura o corpo.
      Mas as verdades que não nascem nos laboratórios ficam longamente na reserva, esperando a atenção daqueles que escrevem os livros de escola.
      Um beijão, meu Leonardo Boff !!!

  5. Claudie (Di) disse:

    Amor, essa questão de como avaliar as mensagens, orientações e manisfestações que recebemos, constantemente através da mediunidade, é mais sério do que se pode imaginar. Muitas guerras forma (e ainda são) causadas por divergências do que é de Deus, ou do diabo.
    Eu gosto muito de usar, como parâmetro, a orientação de Jesus, de que uma árvore se conhece pelos frutos. É um excelente ponto de partida para se analisar a questão. É óbvio, que pelo nível vibracional pelo qual passa nosso planeta, fica mais fácil perceber e admitir mensagens de espíritos mais grosseiros, que buscam criar dissensões, discórdia, desesperança e dúvidas. Mas sabemos Tb, que os espíritos menos adiantados, são atraídos, em maior número de vezes, por nossa própria invigilância, por afinidades de sentimentos ainda não bem trabalhados em nosso interior.
    Portanto, para que possamos atrair bons espíritos (que estão sempre dispostos a nos sjudar, só esperando nossa inclinação para o bem), depende, em maior parte de nossa própria iniciativa em cultivar boas leituras, bons hábitos, companhias estimulantes e convívios edificantes, tudo recheado com muita alegria. Afinal, somos aquilo que pensamos e desejamos…
    Quanto ao Mestre, nenhuma passagem de sua vida foi censurável, só esteve aqui para servir e abrir nossos olhos sobre o que é o amor. É a maior expressão de Deus que conhecemos, para que pudéssemos vislumbrar a grandiosidade de Seu amor, em nossa mísera insignificância.
    Ele foi, e ainda é O CARA…
    Bjocas, amor aniversariado amor, e á todos…

    • inacioqueiroz disse:

      Mísera insignificância?? Foi Claudie mesmo quem escreveu isso?? Credo!!
      Eu vejo a questão de avaliar sobre Deus e Diabo uma coisa tão medieval…
      Prefiro pensar que existe o bem e a ignorância.
      E que alguns irmãos estão tão entranhados na ignorância, que acabam nos dando o real sentido do mal.
      Mas, se existe bem e ignorancia, aquilo que eu ignoro ainda me puxa para o meu lado mal.
      Portanto, longe de mim criticar ou condenar os outros, visto que eu ainda preciso de correção.
      Preciso sim, aprender com todo mundo que está disposto a me ensinar algo, mesmo que eu não ache lá muito interessante.
      (Nisso eu incluo a doutrina do CEU. Ana Maria me surpreendeu na terça).
      Acho que esta atração espiritual que vc citou tem muito mais ligação com os sentimentos que eu já desenvolvi do que com o pensamento.
      Se eu estou no esforço para aceitar, tolerar, ter paciência, ouvir e entender, eu acabo recebendo o carinho de quem também vibra assim.
      Sobre Jesus, acho muito importante que a gente assista um filme sobre o Evangelho ao menos 1 vez por ano.
      Tem muita coisa que, com o passar do tempo, a gente cria uma nova interpretação.
      São experiências que transcenderam 2 milênios e ainda são atuais. Ele foi o CARA!.
      Mil beijos, buguzinho, linda flor miudinha da janela lateral do quarto de dormir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s