19-Por que me chamas Bom?

* Referência: Capítulos do Livro Seara dos Médiuns – Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do Livro dos Médiuns (LM) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação – Leitura da Questão – Curiosidades.
(Meditação sobre capítulo 19-Espíritos da Luz)
Reunião pública de 7-3-60
Questão no. 267 – inciso 10

Os evangelistas Mateus, Marcos e Lucas, nas respectivas narrativas do Evangelho, registaram um ensinamento do Mestre que desafia nossa inteligência.

Ao encontrar Jesus em seu caminho, o jovem rico (ou Principal, na voz de Lucas) se refere a Ele com a expressão “bom Mestre
(Mt 19:17, Mc 10:17, Lc 18:18).

Jesus responde: Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um, que é Deus.

Jesus, nosso modelo, não se qualifica como “bom”.
Mas, na História da humanidade, temos inúmeros exemplos de bondade excepcional: Gandhi, Buda, Madre Teresa, Albert Schweitzer, Irmã Dulce, Francisco de Assis, outros.

O que é ser bom?
Será que nossa percepção da bondade destas almas, que marcaram a História, nada mais é do que a diferença entre nossas dificuldades e a evolução que elas já edificaram?

Neste texto, Emmanuel aproveita a primeira epístola de Paulo ao Coríntios, em seu capítulo 13, para descrever a postura benevolente e sábia dos Espíritos Superiores perante nossas dificuldades evolutivas.

Ainda que falássemos a língua do mal e nenhuma compreensão nos clareasse o olhar – os Espíritos da Luz nos veriam como irmãos; pobres irmãos carentes de luz.

Ainda que desfrutássemos grande prazer com o crime, em todas as suas matizes, e nos afundássemos em inúmeros hábitos viciosos, até que o fundo do poço nos tornasse local comum e habitual – seríamos ainda, para eles, criaturas de Deus na infelicidade e na falta de amor.

Ainda que a culpa nos drenasse todas as forças e nosso caminho fosse um largo plantio de crueldades, uma fuga de todos os deveres – encontraríamos seus corações como um grande vaso repleto de compaixão.

Eles mostram paciência e bondade em todas as ações.
Não há inveja. Não há orgulho.
Sem leviandade. Sem soberba.

Nunca são inconvenientes.
Guardam distância da irritação, do interesse infeliz e da desconfiança. Alegram-se com a verdade e repudiam a injustiça.

Em tudo: suportam, crêem, esperam e sofrem.
Comportam caridade infalível, na certeza de que, um dia, nós não mais precisaremos de fenômenos, provas e revelações.
Hoje nós nos vemos em parte e guardamos a outra parte em ilusões.
Os emissários do Eterno Bem, entretanto, zelam por toda nossa caminhada, cientes de que, perante o Bem Maior, “quase sempre ainda somos crianças, falamos como crianças, pensamos quais crianças e ajuizamos infantilmente“, observa Emmanuel.

Sabem que, um dia, finalmente, iremos nos despir das nossas infantilidades e misérias.
Poderemos ver, enfim, a imensa bondade que deles emana, comparando nosso coração, egoísta por longa era, com o grandioso amor que deles irradia, nos assistindo e amparando sempre e sempre.

Conforta-nos, pois, reconhecer que, se ainda demonstramos fé vacilante, esperança imperfeita e caridade caprichosa, temos, junto de nós, a caridade dos mensageiros do Senhor, que é sempre maior, por não esmorecer em tempo algum“. (Emmanuel)

==&==

Leitura da Questão: Livro dos Médiuns (LM)
CAPÍTULO XXIV
DA IDENTIDADE DOS ESPÍRITOS

Questão 267 – Pode-se resumir os meios de reconhecer a qualidade dos Espíritos nos seguintes princípios:

10) os bons Espíritos nunca ordenam, não se impõem; eles aconselham e, se não são ouvidos, se retiram. Os maus são impetuosos, dão ordens, querem ser obedecidos e permanecem em qualquer circunstância.
Todo Espírito que se impõe trai sua origem. Eles são exclusivistas e absolutos em suas opiniões e pretendem ser os únicos a ter o privilégio da verdade. Exigem crença cega e não fazem apelo à razão, pois sabem que a razão iria desmascará-los;

*** Curiosidades ***

– Buscando na web opiniões sobre a passagem onde Jesus questiona ser chamado de bom, encontrei abordagens muito heterogêneas:
Um pastor afirma a diferença entre bom sinônimo de útil, autosuficiente e bom sinônimo de amoroso. O jovem rico teria chamado Jesus no primeiro sentido e Jesus afirmou não ser.
Outra página alega que o rapaz fez uma mera bajulação a Jesus e o Mestre não aceitou ser bajulado.
Outro explica que na afirmação de Jesus está contida a máxima de que todo bem exara de Deus e que eu só conseguirei ser bom quando encontrar o Deus que está em mim.
São explicações tão diferentes que devo concluir uma coisa: não sabemos exatamente o que Jesus quis dizer. Que cada um abrace a explicação que mais lhe toque o coração ou a razão!

– São tantas qualidades perfeitas que Emmanuel enumera na descrição dos Espíritos da Luz, que confesso um certo desânimo. Temos muito caminho até lá.
Mas, tempos atrás, quando eu fui elaborar uma palestra sobre a paz, usei como base a canção de S.Francisco. 
Ela também enumera uma série de qualidades para sermos “instrumentos de Vossa paz”. São muitas. Mas ela finaliza de forma interessante, deixando 3 regras simples de cumprir e explicando o poder dessas regras:
Regras: Fazei que eu procure mais – 1:Consolar que ser consolado; 2:Compreender que ser compreendido; 3:Amar que ser amado;
Explicando: Porque é dando que se recebe; é perdoando que se é perdoado; é morrendo que se vive para a vida eterna.
Reparem que esta parte aparenta estar separada do resto da música, como se fosse um guia prático do todo. Confesso que achei isso muito esperto da parte do nosso Radioso.
(Francis, é claro).

7 respostas para 19-Por que me chamas Bom?

  1. Marta Valéria disse:

    Olá amigos ;-)!
    Clô, “mizinfia”, você anda inspiradíssima !!!! Adorei.
    A parte do texto que mexeu muito comigo foi a amorosidade da postura dos Espíritos Superiores em relação a nós: “Comportam caridade infalível, na certeza de que, um dia, nós não mais precisaremos de fenômenos, provas e revelações.
    Hoje nós nos vemos em parte e guardamos a outra parte em ilusões.
    Os emissários do Eterno Bem, entretanto, zelam por toda nossa caminhada, cientes de que, perante o Bem Maior, ‘quase sempre ainda somos crianças, falamos como crianças, pensamos quais crianças e ajuizamos infantilmente’.”

    Eles tem TOTAL RAZÃO. Isso doeu na minha alma.

    Em relação ao “bom” de Jesus, fico com a primeira idéia, sinônimo de útil e autosuficiente. Gostei mais dessa…rsrs.

    E o pedacinho da música que me deixa melhor comigo mesma nas tarefas da evolução é assim: “se eu quiser que as trevas me escondam, e que não haja luz onde eu passar …pra ti a noite é clara como o dia, nada se oculta ao seu divino olhar … tu me teceste em seio materno, e definiste todo o meu viver … as tuas obras são maravilhosas, que MARAVILHA, MEU SENHOR, SOU EU …para onde irei ….para onde irei …” Me sinto amada por Deus (amém!)
    Beijão em todos, inclusive no micro ….rsrsrsr!
    Marta

    • inacioqueiroz disse:

      Lendo sua mensagem, percebi algo interessante:
      Mesmo tendo sido eu que li, reli e ajustei este texto, quando alguém destaca uma frase, eu tenho compreensões diferentes dele.
      Essas duas frases que vc destacou me bateram mais fundo agora, fora do contexto e apoiadas na sua emoção.
      MUITO legal, muita coisa.

      Do “bom Jesus”, acho que as 3 são explicações interessantes, mas nenhuma me encanta, de fato.
      Eu explicaria diferente. Diria que em cada degrau de consciência, eu olho “pra cima” e vejo o que é ser bom, olho “pra baixo” e vejo o que é ignorância.
      Acho que isso acontece com o irmão obsessor, comigo, com os “anjos”, com Jesus, com todos. Sempre tem 1 degrau abaixo e outro acima.
      Ser “O BOM” é encontrar a bondade infinita. É chegar no último degrau no infinito. E isso está somente na mão de Deus.
      Jesus já tinha este conhecimento. Pra variar, deu a resposta correta.

      Da musiquinha, eu adoro esta “Tu me Conheces…”. Faz tempo que não cantamos lá no Passe.
      É o Salmo 138, certo? . Realmente, a Bíblia tem belezas incríveis.
      Beijão ….

      • Marta Valéria disse:

        Clô você é ótima, rsrsrs!

        Acho que é o salmo 138 mesmo. É tudo de lindo! Me vejo dentro dele conversando com Deus….

        A proposta do “ser bom” com a autosuficiência, eu substituí a palavra no diálogo e fiquei imaginando alguém chegando pra Jesus e saudando :”Meu bom (autosuficiente) Mestre ” e ele respondendo -“Por que me chamas bom (autosuficiente)? Ninguém é bom (autosuficiente), senão um, que é Deus.”
        Aí, eu gostei dessa “paradinha”, pois me atraiu a atenção.
        Beijocas “mizinfios”

    • Claudie (Di) disse:

      Obrigada, “fia”… Na verdade, só tô pegando carona com os espíritos mais evoluídos que têm falado aqui…rsrsrs
      Bjocas!

  2. Claudie (Di) disse:

    Quando Jesus diz a frase – “Pai, perdoa- lhes, porque não sabem o que fazem”, eu vejo tudo isso que vc falou! Essa postura sábia e benevolente dos Espíritos Superiores face nossas imperfeições lhes é natural, pois ELES SABEM! É mais simples para eles não focarem nossas imperfeições, nossa crueldade, nossa falta de amor, pois eles sabem que “agora vejo em parte, mas então veremos face a face”…
    Por saberem, são capazes de ver a luz que habita em nós, ainda que para o mundo ela ainda esteja apagada. Portanto, vamos estudar, vamos praticar o bem, vamos trazer o bem para nossa realidade do dia a dia, até mesmo para a menor parte dela. Com isso estaremos polindo nossas jaças, e deixando que nosso brilho apareça!
    Quanto ao nosso querido Francisco, acho que ele , muito amorosamente, nos quis passar uma “receita de bolo” (ou uma “colinha”)… Para nós, que ainda não conseguimos ver, ele mostra que amando nosso próximo, pensando no bem que podemos fazer a outro, que não nós mesmos, estamos nos colocando no caminho do Bem. É o mesmo que Jesus, quando diz que tudo que fizermos a cada um dos pequeninos (cada visita a um enfermo, cada pedaço de pão a quem tem fome, cada palavra de consolo àquele que sofre), estaremos fazendo para Ele, ou seja, estaremos nos colocando à caminho do que um dia viremos a ser.
    Bjocas, amorzinho do bem.

    • inacioqueiroz disse:

      Oi Mozinho,
      A-MEI este paralelo entre o texto e o “Pai, perdoa-lhes…”.
      Achei de extrema inteligência. Não havi feito esta conexão ainda.
      Também A-DO-REI (com todas as penas voando aqui) a percepção da colinha de Francisco e de Jesus.
      Na verdade, todos eles deixaram colinha de bom proceder.
      Mas, confesso, não lembrava dessa de Jesus.
      Nossa indisciplina é que sempre nos faz perder.
      Beijos, lindo bugu, flor ciumenta dos campanários de Assis

      • Claudie (Di) disse:

        Naõ acho que seja nossa indisciplina que nos faz sem pre perder… acho que os vários pequenos tropeços (e neles tb nossas indisciplinas), que nos fazem chegar ao caminho certo…
        Quanto às colinhas…Todos esse grandes amigos (grandes em sabedoria, amor, humildade), todos os dias nos mandam muitas (até no pé do ouvido), mas “os fio ainda são teimoso”… Daí eles esperam, com infinita paciência, que nós escutemos e façamos certinho nossas lições.
        Bjin, amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s