22-Será Suficiente Desejar?

* Referência: Capítulos do Livro Seara dos Médiuns – Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do Livro dos Médiuns (LM) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação – Leitura da Questão – Curiosidades.
(Meditação sobre o capítulo 22-Muito Desejo)
Reunião pública de 18-3-60
Questão LM nº 220 inciso 15.

Quem já não desejou algo ardentemente?

Uma pessoa, um presente, uma viagem, um cargo…

Quando adentramos nos grupos religiosos, encontramos este mesmo desejo ardente em diversos formatos.

O desejo de saber orar com fervor, desejo de conhecer profundamente, desejo de orientar com segurança, desejo de fazer parte da equipe.

Como médium, o desejo nos convida para encontrar com os Espíritos Superiores e trazer notícias para quem palmilha a Terra.

A instrução sublime, a escrita consoladora, falar, aliviar e materializar em nome da Luz.

Mas será suficiente desejar? 
Muitos medianeiros não passam da chamada região do “muito desejo”.

Muito desejoiremos encontrar nas propostas dos políticos iniciantes, feitas pouco antes daquela primeira eleição. Melhoria das escolas, ruas asfaltadas, condução farta e até gratuita.
O mundo será melhor após a eleição ganha.

Muito desejo encontramos nas críticas daqueles que chegaram depois do trabalho feito e que pouco ou nada participaram da construção. Sabem como acertar tudo, discorrem sobre como deveria ter sido iniciado, enumeram elementos faltantes e identificam culpados. São habilidosos para policiar e apontar desacertos.

Muito desejopodemos entender como aquele estudante que inicia o novo ano letivo com grandes promessas para família, mas que troca o acesso ao livro pelas horas de conversa frívola, perde horas de aula no envolvimento com jogos e novidades da moda, adiando as “notas boas” na prova para os últimos bimestres, ou para quando não der mais.

Muito desejo podemos ver naqueles que treinam indefinidamente o trato com os amigos espirituais, se preparando dia após dia nas meditações, relaxamentos, visualizações e harmonizações, sem nunca se perceberem suficientemente bem para responsabilizarem-se por parcela de qualquer trabalho.

É normal que todo início de caminhada seja marcado pelo intenso desejo de chegar ao final, ou no mais distante possível. Mas nenhuma caminhada ocorrerá se passos não forem dados, na melhor direção possível.

E se não podemos ainda dividir a estrada luminosa com os grandes benfeitores da Humanidade, podemos ser grandiosos dentro do pequeno caminho que nos foi confiado.

Nosso amparo, nosso esclarecimento, nossa consolação, educação e amor independem de nossa mediunidade. Antes dependem de nossa ação efetiva no bem na hora que passa.

É preciso reverenciar o serviço, buscar o serviço, disputar o serviço e abraçar o serviço com espírito de renúncia em favor do próximo”. – observa Emmanuel.

Para muitos, isto só ocorrerá no dia de amanhã.
E muitas alegrias, vitórias e glórias se confirmarão com a chegada do dia de amanhã.

Mas, para grande  parcela, o amanhã será a época onde aquele grande desejo inicial  finalmente encontrará término, no vazio do “nunca mais”.

==&==

Leitura da Questão: Livro dos Médiuns (LM)
CAPÍTULO XVII
DA FORMAÇÃO DOS MÉDIUNS

Perda e suspensão da mediunidade

220. A faculdade mediúnica está sujeita a intermitências e a suspensões temporárias, quer para as manifestações físicas, quer para a escrita. Damos a seguir as respostas que obtivemos dos Espíritos a algumas perguntas feitas sobre este ponto:

15ª As pessoas que desejam muito escrever como médiuns, e que não o conseguem, poderão concluir daí alguma coisa contra si mesmas, no tocante à benevolência dos Espíritos para com elas?

“Não, pois pode dar-se que Deus lhe haja negado essa faculdade, como negado tenha o dom da poesia, ou da música. Porém, se não forem objeto desse favor, podem ter sido de outros.”

*** Curiosidades ***

– O trabalho no bem nos concede contatos superiores, sem dúvida. Quando jovem, lembro de amigos da época escolar que insistentemente treinavam uma psicografia caseira, em busca de respostas. Nenhum deles se engajou verdadeiramente com o bem. E, até onde sei, nenhum deles conseguiu um contato respeitável.

– Muitos grupos se reúnem disciplinadamente objetivando apenas exercício mediúnico, sem nunca efetivar o trabalho redentor. Agem como se o exercício fosse o objetivo final e não um caminho. Não consigo conceber, por exemplo, o eterno ensaio de uma peça sem nunca vir a apresentá-la. Mas, “cada um com seu cada um”.

– Nestes anos de atividade junto ao grupo espiritualista, percebemos nitidamente que a maior barreira para os que iniciam é o compromisso.
Temos a primeira barreira que é encaixar a atividade do grupo em nossa agenda.
Quando conseguimos este encaixe, temos a segunda barreira que é abrir mão da hora livre, da nossa hora de lazer, por algo que julgamos ser verdadeiramente valioso.
Em verdade, não julgamos algo valioso enquanto não começamos a conhece-lo. E deixamos de começar a conhecer por que ainda não julgamos valioso.
E o cachorro acaba não pegando o rabo! (au-au!)

6 respostas para 22-Será Suficiente Desejar?

  1. Shirley disse:

    Lendo este post lembro de como comecei a trabalhar mediunicamente no passe. Fui pra lá porque a Beth quase me deu um pontapé no traseiro pra eu me mexer…rs Fui e fui ficando. No início não tinha claro o sentido de amor do trabalho. Fui fazer algo mesmo sem saber o motivo. Fui apenas. O tempo, o trabalho, os sentimentos que foram aflorando, me deram a real noção do que estava acontecendo… Fui descobrindo o que é de verdade um trabalho de caridade no sentido amplo do termo. E comecei a sentir uma alegria muito especial a cada tarde, fui me dedicando a tudo muito mais, aos estudos, a organização, a estruturar os cursinhos, enfim, o passe foi entrando em mim, e fazendo parte do meu mundo. Agradeço profundamente tudo que aprendi lá. Agora quero contar outra pra vcs. Lembram que comentei na outra rede social do meu desejo de levar livros infantis pra maca de cromoterapia? Pois levei onte. E lá chegando, adivinhem quem era a primeira paciente sentada a espera do atendimento: uma criança! Não é sempre que as temos e logo de cara me deparo com ela. Sentei ao lado e puxei conversa e perguntei: vc gosta de histórias? Disse que sim e os olhinhos brilharam. Peguei o livro e abri e imediatamente apareceu a irmã dela e sentaram as duas. Eu eu contei os 3 livros qe tinha levado. E ainda acabou e elas tinham q esperar a mãe. Arrumei papei e caneta e fomos desenhar. E pude ver algumas dinâmicas entre as duas, de ciume, de disputa de espaço, de crenças em jesus, etc. Foi muito bom e reforçou a intuição que tive. Aí tive outra: levarei papel e hidrocor na próxima…rs
    Estou contando isso pra ilustrar. Pq é um trabalho que posso estar começando sem sentir. Só me deu vontade e eu fiz. Se é um trabalho novo, se vai crescer, se vai estruturar, não sei. Só sei que gosto e fiz e parece que funcionou muito bem. Então, amigos, o melhor a fazer é começar. Mesmo que não esteja perfeito, mesmo que não tenha A estrutura perfeita, mesmo que não se tenha todos os recursos. Comecemos e se for pra florescer os Espíritos amigos haverão de nos orientar para a condução.

    bjs a todos

    • Inacio disse:

      Muito legal, Shi.
      É uma frente de trabalho simplesmente linda.
      E que pode crescer de forma maravilhosa.
      Neste fim de semana passado, eu disse estas mesmas palavras sobre o passe.
      Ali é onde encontro meu desenvolvimento, sem dúvida.
      E muito tenho ainda que fazer por aquela sala em retribuição.

      Obrigado por seus comentários e muitos beijos …

  2. Claudie (Di) disse:

    Não me lembro bem como é a frase, mas creio que poderão absorver o sentido:O desejo, sem a ação firme que o conduza, acaba não dando frutos, torna-se estéril…
    O desejo é a fagulha inicial, a idéia, mas se não houver mãos que empunhem a alavanca para colocar essa idéia em movimento, ela acaba se perdendo, como uma onda que passa…

    • inacioqueiroz disse:

      Perfeita esta sua colocação.
      Foi a questão colocada pela Ermance no último texto, exatamente isso.
      A pessoa consciente encontra um objetivo a alcançar, inicia um trabalho de modificação (a ação) e alinha o sentimento para não desistir.
      Na base do processo está o desejo de alcançar o objetivo, depois a ação seguida do sentimento persistente.
      Seu comentário uniu na minha cabeça os 2 textos.
      Obrigado, linda florzinha de S.Francisco.

  3. Marta Valéria disse:

    Olá amigos, eu gostei disso aí:
    “Nosso amparo, nosso esclarecimento, nossa consolação, educação e amor independem de nossa mediunidade. Antes dependem de nossa ação efetiva no bem na hora que passa.”

    É o que dizem : “quem sabe faz a hora e não espera acontecer…”
    Vamos nessa?!!!!!!!!!!!!!!!!
    Abração

    • inacioqueiroz disse:

      Confesso que também gostei dessa.
      Ele foca o trabalho, seja como for, como elemento mais importante do que a mediunidade em si. Mediunidade é só 1 das formas. Quantas outras nos são possíveis?
      Valeu, Martinha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s