80-A Luz da Esperança

* Referência: Capítulos do Livro Seara dos Médiuns – Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do Livro dos Médiuns (LM) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação – Leitura da Questão – Curiosidades.
(Meditação sobre o capítulo 80-Em louvor da esperança)
Reunião pública de 31-10-60
Questão LM no.289 incisos 13 e 14.

Você vai encontrar aquele necessitado.

Você o vê, um arrepio corre seu pescoço e você sabe: está perto o desencarne dele.

Como agir? O que dizer?
Eis a questão…

Embora assinales o companheiro nas últimas raias da resistência, não lhe profetizes a queda.” – recomenda-nos Emmanuel.

Muitos são vítimas da própria inconsequência, afundando no vicio e apressando a partida.
Outros são vítimas de colheitas sombrias, semeadas nos encarnes anteriores.

Importa saber?
Sim, para nosso crescimento pessoal e para ajudá-los no que pudermos.
E, com certeza, não os ajudaremos matando-lhes as esperanças.

Pensemos assim: se fosse meu filho o necessitado, como gostaria que fosse orientado por um médium respeitável?

A mínima gota de remédio ou de coragem seria recebida com imensa gratidão, não seria?

Se nós, seres imperfeitos, queremos este bem para um filho, o que espera de nós o Infinito Amor do Pai perante seus muitos filhos?

Mesmo que amigos desencarnados te induzam a desencorajar os irmãos doentes ou transviados, não profiras sentença que desanime; porquanto, cada dia, a Natureza, em nome do Criador, renova a esperança de todas as criaturas.” – orienta-nos Emmanuel.

Todas as manhãs, o sol nos convida para a esperança.
Em algum lugar, uma nova escola é criada.
Uma nova criança retorna ao mundo e um novo cientista trabalha uma cura.

Aquele que veicula o pessimismo, reforça a vibração das inúmeras legiões do mal sobre nosso planeta.
Sejamos nós somente reconforto e auxílio.

Ainda que estejamos percebendo a sombra da Morte presente na sala, não sabemos a extensão da misericórdia Divina para aquela pessoa a nossa frente.

Lembra-nos Emmanuel: “Lázaro, enfaixado no túmulo, era alguém com atestado de óbito indiscutível, mas Jesus chamou-o a mais amplo aproveitamento das horas, e Lázaro reviveu.

==&==

Leitura da Questão: Livro dos Médiuns (LM)
CAPÍTULO XXVI
PERGUNTAS QUE SE PODEM FAZER AOS ESPÍRITOS

289. Perguntas sobre o futuro

13ª Que pensar dos Espíritos que gostam de predizer a alguém o dia e hora certa em que morrerá?

“São Espíritos de mau gosto, de muito mau gosto mesmo, que outro fim não têm, senão gozar com o medo que causam. Ninguém se deve preocupar com isso.”

14ª Como é então que certas pessoas são avisadas, por pressentimento, da época em que morrerão?

“As mais das vezes, é o próprio Espírito delas que vem a saber disso em seus momentos de liberdade e guardam, ao despertar, a intuição do que entrevia. Essas pessoas, por estarem preparadas para isso, não se amedrontam, nem se emocionam. Não vêem nessa separação da alma e do corpo mais do que uma mudança de situação, ou, se o preferirdes e para usarmos de uma linguagem mais vulgar, a troca de uma veste de pano grosseiro por uma de seda. O temor da morte irá diminuindo, à medida que as crenças espíritas se forem dilatando.”

*** Curiosidades ***

-Esta meditação nos mostra que a esperança deve ser realmente a última que se vai. Nosso problema é o pessimismo e a ansiedade. A gente acaba “desencarnando” a pessoa antes do último minuto dela.

-Uma grande amiga me explicou certa vez que ela percebia o desencarne próximo de alguém observando os pés. Ela notava um escurecimento anormal nos pés e, segundo ela, significava o início do afastamento do perispírito. Não posso afirmar sem qualquer dúvida que é real, mas, quando um parente meu muito próximo estava prestes a desencarnar, eu percebi um escurecimento nos dedos dos pés. Mas posso ter sido sugestionado …

-Outro sinal conhecido é aquela breve melhora em meio a uma doença grave. Alguns dizem que é um recurso usado pela espiritualidade para que os afetos diminuam as orações que prendem o moribundo ao corpo. No final, as pessoas não querem o melhor para o doente, mas querem o melhor para elas mesmas.

-Este texto nos dá argumentos para combater a eutanásia. Não sabemos a misericórdia que pode envolver o paciente em seu último minuto. Muito menos sabemos quais as limpezas psíquicas que estão se efetuando naquele momento de estertor. Portanto, deixemos a natureza seguir seu curso.

-A figurinha da imagem inicial é um personagem de desenho animado chamado “Puro Osso”. Eu tenho um boneco de plástico dele em minha mesa de trabalho. Ele me lembra todos os dias que nós temos um encontro futuro agendado … e que devo me prender sempre ao que realmente importa!

8 respostas para 80-A Luz da Esperança

  1. Marcel Amaral de Queiroz disse:

    Gostei muito da matéria pai, pois quando alguém desencarna, tem sempre alguém que sofre a perda daquela pessoa, e mesmo com a fronteira do carnal com o espiritual, o amor que foi criado entre eles continua.
    O que eu desejo falar aqui é que existe a tristeza dos dois lados, mas o plano é no final estarem reunidos novamente e viver com felicidade e paz de espirito.

    • inacioqueiroz disse:

      Querido filho !!!
      Esse é meu presente de niver? rsrsrs
      Obrigado por seu carinho.

      Realmente, acho que só não há sofrimento para aqueles que estão esperando ansiosamente a chegada do espírito em trânsito.
      Quando um bebê nasce, ele está em grande confusão, os que ficaram no plano espiritual estão, muitas vezes, em lágrimas, e os novos pais sorriem.
      (Vi isso essa noite no filme Nosso Lar: a mãe do Lísias caminhando para renascer e ele em lágrimas.)

      Quando alguém querido morre, ele está em grande confusão, os que ficaram aqui na Terra estão em lágrimas e os amigos no plano espiritual sorriem com a chegada.

      No final, temos problemas com partidas devido ao nosso amor egoísta.
      “Como eu te amo, quero vc do meu lado pela eternidade!”. Não, isso não é amor, isso é posse.
      Amar é saber que a pessoa parte para continuar a crescer. E, quando reencontrar, tudo será muito feliz outra vez.

      Beijão e obrigado pelo seu comentário.
      Papai.

  2. Sonia Polonio disse:

    Inacio, sou muito grata por sua explicação. Preciso estudar mais.
    Tudo de melhor pra vc.
    Bye

    • inacioqueiroz disse:

      Oi Sonia,
      Estudar mais, todos precisamos, inclusive eu e muitos que conheço.
      Mas vamos caminhar sem ansiedade.
      Deixamos marcado um dia/hora para estudo na semana e procuramos mover o mundo para não faltar. Esse compromisso, ao longo de anos, isso opera milagres.
      Nós já temos o mais importante: somos interessados.
      Abração …

  3. Sonia Polonio disse:

    Adorei a matéria. quanto a parte dos enfermos que derrepente melhora é fato. Pois trabalha como técnica de enfermagem em CTI e isso é uma constante. Eu tenho feito a coisa certa a anos, se sabe. Sempre que posso levo algumas palavras de ânimo e encorajamento as pessoas que estão sob meus cuidados. Até mesmo, no momento de tratar o corpo pos-mortis, sempre peço que Deus de a suas almas bom caminho e conforto na dor dos entes querido.
    Uma coisa que periodicamente acontece, e eu gostaria de entender é mesmo em mortes traumáricas e pós grande sofrimentos, os corpos que trato tem em seus rostos traquilidade e alguns podemos dizer até ” tipo um sorriso”. pq isso acontece??
    Obrigada a todos e desejo ótima noite.
    sonia polonio

    • inacioqueiroz disse:

      Oi Sonia,
      Uma vez eu li o diário de um navio que afundou nas costas do Brasil entre 1550 – 1600.
      Muitos morreram de escorbuto.
      O registro de bordo falava que o sofrimento era muito grande até poucas horas antes da morte.
      Mas, poucas horas antes, as pessoas acalmavam, sorriam e diziam: já nem está doendo tanto assim.
      E morriam.

      Na verdade, a dor é um comando nervoso do cérebro.
      Ele se vê ameaçado e berra até a exaustão.
      Chega hora em que ele entrega os pontos e pára de gritar.
      Ele reconhece que perdeu e relaxa.
      Deixa a morte vir porque não há outro jeito.

      Nessa hora, a pessoa vive uma paz.
      E encara a tormenta seguinte que é se desligar.
      Se tiver um bom amparo, será só descanso e refazimento.
      Do contrário …

      Abração …

  4. Leonardo disse:

    Muito boa a materia, pois é nesse momento crucial que muito nos interrogamos. Mas, tenho como busca a coerência, a simultaneidade com a vida plena e a placidez em sentir o momento da morte. Acho que nossa cultura nos educa a pensar na Vida e Morte como fenômenos distintos, até opostos. A Vida essa vibração de sensações, gozos, muitas conquistas e perfeição eterna.. A Morte, figura caricata, vinda das sombras, deformante, transvestida em vírus, em falência múltipla e horror. Se milhões de celulas morrem em um corpo e outras milhões as substituem a todo momento. Se milhões de bactérias e virus invandem os corpos a eles sustentam, lhes dão força ou agem a tranformá-los em outra manifestação de Vida…
    A Morte é presença gêmea com a Vida. Somos Vida num somatório de energias e Morte nesse mesmo somatório. Nesse laboratório de energia estão sendo gestadas nossas condições de Vivos e falecidos, mesmo como a concebemos, da forma distorcida de falência total.

    • inacioqueiroz disse:

      Leozinho altamente filosófico!!! Nossa!!
      Essa contradição entre vida e morte é da cultura ocidental.
      Se perguntamos o contrário de morte no ocidente, dirão vida.
      A mesma pergunta no oriente responderão nascimento.
      E vida é o todo.

      bjão e obrigado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s